quarta-feira, 19 de julho de 2017

domingo, 2 de abril de 2017

As ações comemorativas do NUPPE e as experimentações de Beth Shimaru




Desde a sua criação em 2007, o NUPPE realizou inúmeras atividades de estudos envolvendo professores, alunos e profissionais da área de ensino e pesquisa para discutir sobre a Pintura na contemporaneidade.

Nesse ano não será diferente, pois na ultima reunião ocorrida no dia 06 de Março o grupo discutiu que pretende desenvolver várias ações para comemorar os seus 10 anos, e uma delas será o Simpósio previsto para o mês de Outubro. Esse formato de evento tornou-se uma das práticas do NUPPE por conseguir reunir pessoas com um interesse em comum que é pensar sobre a pintura e as questões que a circundam no momento atual. 

Vale aqui recordar, os Simpósios realizados anteriormente, caso você não tenha participado basta acessar os links abaixo para conferir tudo o que aconteceu dentre apresentações, discussões e exposições organizadas pelo NUPPE.

 http://www.nuppe.art.br/simposio2014/default.asp
http://www.nuppe.art.br/simposio2014/default.asp

Na ultima reunião também foi apontado um mapeamento de outras ações que serão desenvolvidas ao longo desse ano festivo, envolvendo Mostras coletivas no âmbito nacional e internacional, bem como a organização e curadoria de Exposições individuais com alguns artistas convidados e ainda uma proposta temática voltada para o feminino na arte. 

Existem ainda outras possibilidades de ações que encontram-se em análise pelo o grupo acerca de uma intervenção pictórica em espaço público e uma proposta de Residência artística. 

Além de uma exposição prevista para o mês de Julho, o NUPPE irá lançar um catálogo que foi organizado por Camila Moreira, Ana Rita Ferreira e Andrea Diogo. Trata-se da produção visual e teórica dos artistas pesquisadores integrantes do grupo, apresentando assim um pequeno panorama artístico de obras que questionam a pintura em diferentes momentos expressivos. Aguardem!!!

Encerramos esse post com a pesquisa de Beth Shimaru¹ que durante a reunião nos apresentou suas experimentações com os pigmentos naturais, têmperas e aquarelas que pontuam seu diálogo com a pintura materialidades e composições sobre os gêneros da pintura. 





















_______________________________________________
¹ Elizabeth Finholdt Shimaru é formada em Letras (Faculdades Integradas de Uberba) e estudante do 3º período do Curso de Artes Visuais UFU. Participou de diversas atividades envolvendo cursos e exposições, dentre elas nos Anos 70/80 – Cursos livres de Pintura e Desenho  com Hélio Siqueira Uberaba
1982 – Exposição Coletiva na Galeria de Arte Reis Júnior FIUBE Campus II - Uberaba
1986 - Formada em Letras - Faculdades Integradas de Uberaba
1993/ 2006 -  Trabalhos gráficos - Agência GR1000 e Studioficina Propaganda Uberaba
2015 - Estudante - Ateliê de Criação na Casa de Ideias com Alexandre França
Dez/2015 - Exposição Coletiva de alunos - Casa de Ideias
2016 - Estudante - Curso de Artes Visuais da UFU
Set/2016 - Exposição Corpo da Terra - Sala Alternativa da Oficina Cultural
Dez/2016 - Exposição Nascimentos - Casa de Ideias
Dez/2016 - Exposição Caridade - Parque Linear Lagoinha
contato: bethshimaru@yahoo.com.br




segunda-feira, 20 de março de 2017

O NUPPE planeja comemorar seus 10 anos


O NUPPE realizou sua primeira reunião do ano, no dia 13 de fevereiro, com muita expectativa na organização dos diversos eventos e ações que irão celebrar os 10 anos de existência do grupo ao longo do ano de 2017. 

Nesse encontro também foram pontuados assuntos relacionados aos afastamentos, descredenciamentos e credenciamentos de membros, como o de Beth Shimaru.

Em breve divulgaremos maiores informações sobre a publicação do Seminário 2016 realizado pelo NUPPE que ainda encontra-se nos ajustes finais do texto. 

Outros assuntos também foram discutidos em torno dos eventos envolvendo a captação de recursos, planejamentos das ações comemorativas, seminários, palestras e mesas que serão executados durante todo esse ano comemorativo.

Para finalizar esse post compartilhamos um pouco da pesquisa Mare Nostrum: quadros de exceção que foi apresentada durante a reunião por Rodrigo Freitas¹, membro do NUPPE e professor efetivo do curso de Artes Visuais na UFU.












___________________________________________________________

¹ Rodrigo Freitas Rodrigues possui graduação em Artes Visuais - Gravura pela Universidade Federal de Minas Gerais (2008), graduação em Artes Visuais - Pintura pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006), mestrado em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011) e doutorado em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016). Atualmente é professor do magistério superior da Universidade Federal de Uberlândia. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Pintura, atuando principalmente nos seguintes temas: arte contemporânea, pintura, gravura, desenho, georges bataille e felix gonzalez-torres. http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4739948Y5

domingo, 12 de março de 2017

Cromofilia vs. Cromofobia: investigações da cor - Galeria Nara Roesler



A coletiva inclui dezoito obras de Abraham Palatnik, Antonio Dias, Bruno Dunley, Cao Guimarães, Carlito Carvalhosa, Daniel Buren, Daniel Senise, Haegue Yang, Hélio Oiticica, Julio Le Parc, Lucia Koch, Marcelo Silveira, Marco Maggi, Milton Machado, Rodolpho Parigi, Sergio Sister, Tomie Ohtake, Vik Muniz e Xavier Veilhan. 


   vista da exposição -- galeria nara roesler | são paulo -- 2016

Organizada pela diretora artística da galeria, Alexandra Garcia Waldman, a exposição gira em torno da batalha entre a tabela cromática e o círculo cromático.  

Tomando como base teórica o ensaio “Chromophilia”, do livro "Chromophobia", de David Batchelors, a exposição apresenta artistas contemporâneos que brincam, destroem e se deleitam com a tensão entre o uso das cores industriais pós-1960 e o advento da tabela cromática. Batchelor descreve a tabela cromática, como uma lista descartável de cores prontas. “Cada tira de papel é uma pintura abstrata perfeita em miniatura, ou um exemplo compacto de serialismo cromático, ou uma página de um vasto catálogo raisonné de monocromos”. A tabela conferiu aos artistas liberdade e autonomia na utilização das cores, algo inimaginável dentro da rígida estrutura estabelecida anteriormente pelo círculo cromático. Nas palavras de Batchelor: “o círculo cromático estabelece relações entre cores e implica uma hierarquia quase feudal entre elas – primárias, secundárias e terciárias, puras e não tão puras”. 

Os artistas da exposição brindam os visitantes com o espectro completo do drama cromático. Daniel Buren rejeitou a ideia de que a eliminação da cor produziria uma forma mais pura de arte; ao contrário, a cor para ele é essencial e não pode ser substituída por palavras ou ações. 



daniel buren
cores, luz, projeção, sombras, transparência:
obras in situ 5, 2015
estrutura metálica, vinil adesivado, acrílico
200 x 200 x 50 cm


Exposta ao lado de Colors, light, projection, shadows, transparency: works in situ 5 está Santa Teresa Nerveux, de Rodolpho Parigi, onde cores explosivas tecem formas geométricas planas, em composições que evocam paisagens urbanas semi-abstratas e fragmentadas. No mesmo espaço, Pictures of Pigment: Monochrome, pink-blue-gold, after Yves Klein, de Vik Muniz, transmite uma sensação de controle, utilizando as cores vibrantes preferidas pelo falecido Yves Klein.









vik muniz
pictures of pigment: monochrome, pink-blue-gold,
after yves klein, 2016
c-print digital
ap 2/4
230 x 540 cm


Na outra extremidade da exposição, Sérgio Sister recontextualiza ideias clássicas relativas à tela enquanto janela, investigando a intrincada relação entre as cores quando estas interagem com o espaço e o ar.  

sergio sister
sem título, 2015
óleo sobre tela
170 x 213 cm (díptico)



Tomie Ohtake foi fascinada pela cor durante toda sua vida e sempre explorou a sobreposição de círculos, formas ovais, arcos e pilhas de objetos para realçar a experiência de suas obras. O trabalho selecionado, uma de suas pinturas mais recentes, convida à contemplação e à imersão na lógica de sua arte.

Lucia Koch também utiliza a cor para preservar, alterar e continuar uma experiência. Mostruário – degradês, da série degradês, preserva a cor do pôr-do-sol em tela impressa. A obra é iluminada por trás e a experiência é completamente alterada por uma natureza preservada artificialmente. 

Os artistas na exposição desafiam os espectadores a experimentar a cor. Eles materializaram as cores para alcançar a liberdade de experimentação, deixando para trás a rigidez do círculo cromático.

A diretora artística da Galeria Nara Roesler, Alexandra Garcia Waldman, apresenta a segunda parte da exposição coletiva Cromofilia vs Cromofobia: Continuação, agora na sede carioca. Tomando como base teórica o ensaio Chromophilia, do livro Chromophobia, de David Batchelors, a exposição apresenta artistas contemporâneos que brincam, destroem e se deleitam com a tensão entre o uso das cores industriais pós-1960 e o advento da tabela cromática.


lançamento_ 26/01/2017, quinta-feira, 19-22h
exposição_ 27/01/2017 a 18/03/2017 

local_
Galeria Nara Roesler Rio
Rua Redentor 241 - Ipanema
Rio de Janeiro / Rio de Janeiro / Brasil
55-21-3591-0052
galeria@nararoesler.com.br
www.nararoesler.com.br

Fontes:


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Participação do NUPPE na Exposição Coletiva "LA OTRA PALABRA", em Bordeaux (jan. 17)

Alguns membros do NUPPE - Aninha Duarte, Ana Rita Ferreira, Dayane Justino, Elsieni Coelho, Flaviane Malaquias, Jane Côbo, Kênia França, Roberta Melo, Sérgio Rodrigues e Talita Trizoli - estão participando, como artistas convidados, da exposição "La Otra Palabra", que acontece no espaço expositivo da Biblioteca Flora Tristan, na cidade francesa de Bordeaux. São trabalhos em pequenos formatos na linguagem da Pintura, com temáticas diversas.

A artista e membro do NUPPE Carmen Herrera Nolorve integra o coletivo MACLA (Muestra de Arte Contemporáneo Latinoamericano), cujas obras consistem no eixo central da exposição.

O período de visitação é de 03 a 14 de janeiro de 2017. Confira o cartaz:


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Exposições do NUPPE: dezembro de 2016

O NUPPE encerrou mais um ano de atividades com duas exposições: a individual "Quadros de Exceção" de RODRIGO FREITAS, membro do NUPPE e professor de Pintura do IARTE / UFU, e participação na exposição coletiva "Caridade", dentro do projeto LIGA DE CRIADORES,  coordenado pelo Studio Casa de Ideias.

A exposição do artista Rodrigo Freitas, intitulada "Quadros de Exceção", ainda está em período de visitação e acontece no Espaço Artístico ITV.  Confira o convite, com texto do próprio artista:


(Clique para ampliar)


Já a coletiva "CARIDADE", inaugurada no dia 18 de dezembro, foi organizada pelo artista Alexandre França e reuniu trabalhos de diversos artistas da cidade, criados a partir das frases contidas na "Prece de Cáritas", e sobre um suporte comum: um prato de PVC, podendo ser ou não ampliado para o espaço. A exposição ocorreu ao ar livre, nas margens do Parque Linear do Córrego Lagoinha, em Uberlândia, sendo que cada trabalho teve uma árvore como anteparo. Veja fotos de alguns dos trabalhos:

 Jane Côbo e Aninha Duarte

 Dayane Justino e Elsieni Coelho

Rodrigo Freitas

(Fotografias de Jane Côbo)



Em 2017, o NUPPE completa 10 anos de fundação, e terá uma programação comemorativa com diversas ações.

Feliz 2017 a todos!


quarta-feira, 26 de outubro de 2016

IV SIMPÓSIO do NUPPE: Extensões da Pintura: Processos, Memórias e Imaginários

O IV Simpósio do NUPPE, denominado "Extensões da Pintura: Processos, Memórias e Imaginários", aconteceu nos dias 4, 5 e 6 de outubro no Campus Santa Mônica da Universidade Federal de Uberlândia e na galeria do Studio Casas de Ideias, onde acontece a exposição coletiva dos artistas-membro do núcleo no período de 03 /10 a 03 / 11.



Os eventos e atividades realizados pelo NUPPE, entre exposições, simpósios, ações, visam divulgar a produção e pesquisa de seus membros, ampliando o debate acerca da linguagem pictórica com foco nos processos de criação e na reflexão das possibilidades da pintura na contemporaneidade. O cruzamento entre pesquisas de artistas e pesquisadores locais, nacionais e internacionais visam estabelecer um amplo panorama em torno da Pintura, a partir das linhas de pesquisa que o núcleo contempla. Para além dessas motivações, é de entendimento do NUPPE que as ações por ele promovidas atuam diretamente na motivação de seus pesquisadores, fomentando o interesse constante pela produção e estudo.

O IV Simpósio priorizou as pesquisas dos artistas e pesquisadores vinculados ao NUPPE, e teve suas atividades organizadas em 03 aspectos: PALESTRAS, MESAS REDONDAS e OFICINAS, além da EXPOSIÇÃO COLETIVA que abriu o evento.

  


Na tarde do dia 04/10, a profa. Dra. Aninha Duarte abriu as palestras e mesas redondas apresentando um histórico sobre a criação e as atividades já desenvolvidas pelo NUPPE desde 2007. Posteriormente, o artista e designer Alexandre França - um dos fundadores do NUPPE -  fez uma apresentação sobre seu processo de criação ao longo de 31 anos de carreira.




No evento da noite, no mesmo dia, o Prof. Dr. Rodrigo Freitas proferiu a conferência "Intermitência da Imagem", acerca de seu processo de criação.




Na tarde do dia 05, tivemos a mesa redonda com a apresentação das pesquisas da Ms. Andréa Diogo e Carmen Nolorve (apresentada pela profa. Dra. Elsieni Coelho), intitulada "Identidades e Recorrências como Poética no Processo de Criação", com mediação da Profa. Dra. Regina Rodrigues.







A mesa redonda do mesmo dia foi composta pela Profa. Dra. Elsieni Coelho, por Dra. Ana Rita Ferreira (apresentada pela Profa. Dra. Aninha Duarte)  e pelo mestrando Sérgio Rodrigues, intitulada "Identidade e Memória no processo de criação em Arte", com mediação da Profa. Dra. Aninha Duarte.




A mesa redonda da tarde do dia 06/10 foi composta pela Profa. Dra. Regina Rodrigues e pela Ms. Gladys Robles (por meio de vídeo) com o título "Caminho de Terra",  com mediação da Profa. Dra. Elsieni Coelho.



O encerramento do simpósio foi realizado na noite do dia 06, coma conferência da Profa. Dra. Aninha Duarte sobre seu processo de criação, intitulada "Investigação In Situ: percursos, processos e imagens geradoras".




OFICINAS

Os períodos da manhã dos 03 dias de Simpósio foram destinados às Oficinas. No dia 04, tivemos a oficina da Ms. Andréa Diogo intitulada "Como construir escrita análoga ao processo de criação".



No dia 05, a Oficina ministrada pela Profa. Dra. Regina Rodrigues se desenvolveu sobre o tema Pigmentos Terrosos.





No dia 06, a Oficina  "Exploração de materiais não-convencionais em pintura" foi ministrada por Jane Côbo e Sérgio Rodrigues.









Em dezembro de 2016, as publicações referentes às palestras e mesas redondas estarão disponíveis para consulta no site no NUPPE (www.nuppe.ufu.br).


 Para maiores informações sobre o IV Simpósio do NUPPE, acesse: simposio2016.nuppe.ufu.br
 Outras fotografias do Simpósio na fanpage: https://www.facebook.com/groups/334678956625933/


Responsável pelo post: Sérgio Rodrigues

Registros fotográficos: Jane Côbo